Dollar R$ 5,41 Euro R$ 5,80
Dollar R$ 5,41 Euro R$ 5,80

Política Domingo, 26 de Dezembro de 2021, 16:10 - A | A

Domingo, 26 de Dezembro de 2021, 16h:10 - A | A

'DEVER DE CASA'

Secretário promete deixar concurso da Saúde pronto antes de sair do cargo

Jefferson Oliveira

Repórter | Estadão Mato Grosso

Felipe Leonel

Repórter | Estadão Mato Grosso

O secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, afirmou estar pronto para deixar o cargo e descartou que suas ações tenham conotação política. Figueiredo ainda disse não estar preocupado com tais insinuações e que transformar tudo o que ele faz em política é fácil, pois várias ações na Saúde tiveram resultados positivos na Saúde, como a requisição da Santa Casa, que estava “quebrada”, além da restruturação do Hospital Regional de Rondonópolis. 

“Se eu for preocupar com o que os outros falam eu não faço nada”, disse. Ele já avisou ao governador Mauro Mendes (DEM) que pretende ficar no cargo somente até dezembro deste ano e que após deixar o cargo pretende cuidar mais da sua saúde. Durante a pandemia, o gestor foi infectado pela covid duas vezes, precisando ser internado no Hospital Albert Einstein. 

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

“Eu estou à disposição do governador, de minha parte eu já estou pronto, acho que três anos no cargo já foi uma missão importante”, afirmou, acrescentando que teria até o final de abril para deixar o cargo, mas que isso não faria diferença para ele. 

Nas últimas semanas, a atuação do secretário tem causado ciúmes de deputados estaduais. Diante da pressão política, por anunciar que vai disputar as eleições, Gilberto afirmou que iria parar de realizar contratações na Secretaria Estadual de Saúde (SES) por meio de processo seletivo, já que estava sendo acusado de abrigar apoiadores políticos. 

“Eu atendo aquilo que é solicitado, a Assembleia queria explicação, fui lá e dei a explicação. Tenho convicção daquilo que estamos fazendo, nós já tínhamos anunciado antes que queríamos realizar o concurso, então o concurso vai sair e não é porque eu fui à Assembleia. Ele estava ensejado no TAC e não aconteceu por força da pandemia”, explicou. 

O Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) citado pro Gilberto foi firmado entre o Governo do Estado e o Ministério Público de Mato Grosso em 2019, quando ficou acordado que o Governo iria fazer concurso para a Saúde, já que há 19 anos o quadro de servidores não era renovado. 

 
search