Dollar R$ 5,17 Euro R$ 5,61
Dollar R$ 5,17 Euro R$ 5,61

Política Terça-feira, 05 de Março de 2024, 17:45 - A | A

Terça-feira, 05 de Março de 2024, 17h:45 - A | A

CONTRADIÇÃO

“Prefeito de Chapada não pode decretar calamidade e ficar fazendo festa", dispara Mendes

Bruna Cardoso

Repórter | Estadão Mato Grosso

Fernanda Leite

Repórter | Estadão Mato Grosso

Após o prefeito de Chapada dos Guimarães Osmar Froner (MDB) cobrar a liberação da MT-251, o governador Mauro Mendes (UB) respondeu com uma frase curta e direta sobre o comportamento do gestor. Em conversa com jornalistas nessa segunda-feira, 4 de março, Mauro afirmou que há contradição entre a realização de festas na cidade e a situação de calamidade pública que o prefeito quer decretar.

Froner anunciou no mesmo dia, mais cedo, que cogitava decretar calamidade pública por motivos financeiros, devido às interdições constantes na MT-251, na região do Portão do Inferno, para evitar acidentes. A interrupção do tráfego atrapalha o fluxo de turistas para a cidade, que é a principal fonte de renda de Chapada.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

“Prefeito de Chapada não pode decretar calamidade financeira e ficar fazendo festa, né?”, disse Mendes.

Ao ser questionado sobre o fato de que a cidade 'vive' de fazer festas, Mendes mantém reafirmou que cidade em calamidade pública não deve promover festas.

Froner reclamou da demora do governo para iniciar obras definitivas na região do Portão do Inferno, liberando novamente o trânsito para a cidade.

Em resposta, o governador explicou que é a demora para liberação das licenças ambientais é comum. Segundo Mauro, há previsão de que o licenciamento saia nesta primeira quinzena de março.

“A Secretaria de Estado está finalizando, através de uma terceirizada que foi contratada para isso. É um projeto para que esse projeto seja apresentado então ao ICMBio, que é dono do parque. Ali é área federal, né?! Então, nós temos que submeter ao ICMBio e também ao processo de licenciamento ambiental”, explica.

search