Dollar R$ 5,57 Euro R$ 6,07
Dollar R$ 5,57 Euro R$ 6,07

Política Terça-feira, 02 de Julho de 2024, 09:39 - A | A

Terça-feira, 02 de Julho de 2024, 09h:39 - A | A

NESTA SEMANA

Botelho vai expor números da Prefeitura e acredita em dívidas de quase R$ 2 bilhões

Equipe técnica montada pelo pré-candidato faz o diagnóstico das contas da Prefeitura, tendo como principal foco a Secretaria Municipal de Saúde

Fernanda Leite

Repórter | Estadão Mato Grosso

Pré-candidato a prefeito a prefeito de Cuiabá, o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (União), disse que irá expor os números sobre as dívidas da Prefeitura em uma reunião que ocorrerá ainda esta semana. A equipe técnica montada pelo parlamentar realiza o diagnóstico das contas da Prefeitura, tendo como principal foco a Secretaria Municipal de Saúde e as dívidas que serão deixadas pela atual gestão.

Em conversa com jornalistas, Botelho disse acreditar que as dívidas da Prefeitura de Cuiabá devem chegar à marca de R$ 2 bilhões até o final do ano.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

"Nós já terminamos de algumas áreas, da Educação, por exemplo. Nós vamos fazer uma reunião essa semana para apresentar. E nós já fizemos a questão financeira, que é o geral e já terminou. O problema é saber quanto que vai ficar até o final do ano desse ano, que a gente não tem esses dados. Eu acredito que ela vai chegar próximo de R$ 2 bilhões até o final do ano. Essa é a projeção que tem. Agora, é lógico que tem dívidas consolidadas, que são dívidas de longo prazo como de financiamentos, do FGTS, dívida com INSS, precatórios e outras várias contas. Nós vamos apresentar esses números", comentou.

Conforme Botelho, não existe 'ninguém com a razão' em relação aos números da Prefeitura. Porém, o deputado afirma que existe, sim, uma dívida gigantesca.

"Não tem ninguém certo [com essas informações], tem umas dívidas lá. Quanto que vai ser exatamente, eu não sei, porque depende de como que vai terminar esse ano. Nós estamos levantando o que tem até hoje e, daí, a gente faz uma projeção do que pode ocorrer", explicou.

search