Dollar R$ 5,39 Euro R$ 5,79
Dollar R$ 5,39 Euro R$ 5,79

Cidades Terça-feira, 28 de Dezembro de 2021, 11:18 - A | A

Terça-feira, 28 de Dezembro de 2021, 11h:18 - A | A

CONTRA COVID

MT descarta prescrição médica para vacinar crianças entre 5 e 11 anos

Jefferson Oliveira

Repórter | Estadão Mato Grosso

Felipe Leonel

Repórter | Estadão Mato Grosso

Mato Grosso não vai exigir prescrição médica para aplicar a vacina contra a covid em crianças de 5 a 11 anos. O secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, classificou a orientação do Ministério da Saúde como uma imprudência, que aumenta ainda mais o negacionismo, além de provocar uma corrida aos postos de saúde para pegar a prescrição.

Com isso, Mato Grosso se junta à maioria dos Estados brasileiros, que resolveram contrariar a orientação do governo federal.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

Em entrevista na manhã desta terça-feira (28), Gilberto afirmou que vai seguir as orientações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e da Sociedade Brasileira de Pediatria, além outros órgãos de saúde.

“Desnecessária a cobrança de um atestado para utilização de uma vacina que já tem eficácia comprovada no mundo. Nós não vamos criar mais um obstáculo para a população poder acessar a vacina. Se tiver alguma criança que, por alguma razão, exista prescrição de não vacinar, aí sim, o médico que proceda assim”, disse.

Outro argumento utilizado por Gilberto é que isso iria provocar uma corrida aos postos de saúde em busca de pediatras, especialistas em falta no Brasil e também em Mato Grosso. “Seria uma imprudência muito grande, mais uma ação para promover o negacionismo da vacina, que nesse momento é tão importante”, comentou.

ATENÇÃO BÁSICA ESTÁ COLAPSANDO

Ainda durante a entrevista, Gilberto Figueiredo afirmou que a população precisa continuar usando máscaras, pois a atenção básica já estaria colapsando com os casos da gripe H3N2. As medidas de proteção são as mesmas para evitar o contágio pelo novo coronavírus.

O secretário lembrou ainda que a vacina contra a Influenza não garante proteção contra a nova cepa do vírus da gripe.

“É uma infecção respiratória que pode trazer consequências mais graves, tal como a pandemia, sobrecarregar o sistema de saúde. É importante que as pessoas tenham prudência, continuem usando máscaras, evitando aglomerações, para que não volte a colapsar o sistema de saúde. Na atenção básica, onde essas pessoas serão recebidas inicialmente, já está colapsando”, disse Gilberto.

search