Dollar R$ 5,11 Euro R$ 5,55
Dollar R$ 5,11 Euro R$ 5,55

Opinião Quarta-feira, 28 de Dezembro de 2022, 08:41 - A | A

Quarta-feira, 28 de Dezembro de 2022, 08h:41 - A | A

ARTIGO COLETIVO

Para a luz do Natal não se apagar no teu lar

Walter e Danilo

O Natal marca o período mais festivo do ano, celebramos o ano que se finda e o que logo se inicia, a reunião da família, familiares e amigos. Nosso lar fica iluminado com a presença de pessoas e a decoração natalina. Aqui devemos tomar cuidado com os intrusos indesejados e perigosos: os acidentes elétricos, até fatais.

A decoração natalina, em especial os equipamentos elétricos utilizados para enfeitar e iluminar a casa, árvores e áreas de jardins, apresentam riscos para as pessoas, os animais e o patrimônio, quase sempre ignorados.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

Devemos nos preocupar quanto a procedência dos enfeites, tomando cuidado com os equipamentos não certificados e evitando utilizá-los. É importante observar se os cordões de lâmpadas, os famosos pisca-piscas natalinos, quando utilizados na parte externa a residência, devem ser IP44 ou superior, sendo fabricados com o Índice de Proteção (IP) adequado. Como os piscas estão na maioria dos casos próximos à materiais combustíveis, como, por exemplo, panos de mesa, tapetes, cortinas, grama e folha seca, qualquer falha na isolação do material pode ocasionar um acidente. Os condutores das luzes natalinas são muito finos, com a possibilidade de perda da isolação. Por isso, faça uma criteriosa inspeção visual antes de ligar à tomada, e a qualquer suspeita de acesso ao condutor vivo (parte metálica exposta), descarte o aparelho/conjunto de lâmpadas.

É recomendável dar à preferência para as lâmpadas de LED, pois reduz a possibilidade de sobrecarga da instalação, reduz o consumo de energia e o aquecimento dos equipamentos, além de serem tecnologias bivolt, podendo ser ligado em qualquer tomada. Um elemento natalino quase sempre ignorado é a árvore de Natal. Devemos redobrar a atenção quando estas são artificiais, construídas com plástico, madeira e metais. Busque sempre por árvores do tipo “resistente ao fogo”.

Precisamos tomar muito cuidado quanto a forma como ligamos nossos enfeites natalinos. Os benjamins (tês) são proibidos e as extensões do tipo régua são aconselhadas, desde que certificadas pelo Inmetro. Observe os plugues de tomadas e os condutores, qualquer sinal de sobreaquecimento, desconecte com segurança. É necessário que o circuito elétrico que alimenta a iluminação natalina tenha um DR, pois em falha na isolação da iluminação, o circuito será desligado, evitando acidentes como choque elétrico e incêndios. Segundo o relatório – O Raio-X das instalações Elétricas Brasileiras (da Abracopel), estima-se que 79% das residências brasileiras não possuem o dispositivo DR.

A utilização de iluminação natalina de baixa qualidade, pode acarretar choques elétricos, curtos-circuitos, princípios de incêndios e incêndios, causando assim, riscos à vida e ao patrimônio. Em 2021, MT teve 33 mortes por choque elétrico, ocupando o 3º lugar no ranking nacional, e neste ano já estamos em primeiro lugar, segundo o monitoramento da Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade(Abracopel).

Em caso de acidente, faça o contato imediato com o corpo de bombeiros, através do 193, busque manter a calma e eventualmente retire materiais sólidos que estejam nas proximidades do incêndio, sem se colocar em risco; estas são ações importantes em situações como esta.

Vamos assim celebrar o Natal despreocupados e com segurança, com atenção para os riscos escondidos na decoração natalina. Que tenhamos um Natal iluminado e ótimas festas.

*Walter Aguiar Martins Júnior é engenheiro eletricista, conselheiro do Crea-MT e diretor da Abracopel
**Danilo Ferreira de Souza é engenheiro eletricista e de Segurança do Trabalho, pesquisador do Instituto de Energia e Ambiente da USP, professor da UFMT e diretor da Abracopel

search