Dollar R$ 5,45 Euro R$ 5,96
Dollar R$ 5,45 Euro R$ 5,96

Mundo Sexta-feira, 13 de Novembro de 2020, 10:52 - A | A

Sexta-feira, 13 de Novembro de 2020, 10h:52 - A | A

GIGANTE ASIÁTICO

China parabeniza Biden pela vitória nas eleições dos EUA

Agora, só Brasil, Rússia, México e Coreia do Norte ainda não reconheceram a derrota de Trump. Mourão afirmou nesta sexta que, 'como indivíduo' eu reconheço o resultado.

G1

A China enviou nesta sexta-feira (13) felicitações a Joe Biden por sua eleição como 46º presidente dos Estados Unidos, quase uma semana após o anúncio da vitória do candidato democrata.

"Respeitamos a escolha do povo americano. Enviamos nossas felicitações a Biden e a Harris", declarou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Wang Wenbin, citando também a vice-presidente eleita, Kamala Harris.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

Na segunda-feira (9), Wenbin havia se limitado a dizer: "Entendemos que o resultado das eleições presidenciais americanas será determinado de acordo com as leis e procedimentos dos EUA".

 

Em 2016, o presidente chinês, Xi Jinping, parabenizou o presidente dos EUA, Donald Trump, no dia seguinte à eleição.

Mas, neste ano, Trump ainda não admitiu a derrota. O republicano diz sem apresentar provas que houve fraude e tenta reverter o resultado na Justiça.

A maioria dos líderes mundiais parabenizaram Biden e Harris ainda no sábado (7), quando a vitória democrata foi projetada pelos veículos de comunicação americanos.

Agora, com o reconhecimento da China, o presidente russo, Vladimir Putin, e o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, estão entre os poucos líderes mundiais que ainda não reconhecem o resultado.

A lista também inclui o presidente mexicano, López Obrador, e o ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-Un.

Brasil e Biden

Sem citar Biden, Bolsonaro afirmou na terça-feira (10) "quando acaba a saliva, tem que ter pólvora". O presidente brasileiro se referia à Amazônia.

Ainda como candidato, o presidente eleito dos EUA disse que buscaria "organizar o hemisfério e o mundo para prover US$ 20 bilhões para a Amazônia". Afirmou ainda que o Brasil pode enfrentar "consequências econômicas significativas" se não parar de "destruir" a floresta.

"Assistimos há pouco aí um grande candidato a chefia de Estado dizer que, se eu não apagar o fogo da Amazônia, ele levanta barreiras comerciais contra o Brasil. E como é que podemos fazer frente a tudo isso? Apenas a diplomacia não dá, não é, Ernesto? Quando acaba a saliva, tem que ter pólvora, senão, não funciona. Não precisa nem usar pólvora, mas tem que saber que tem. Esse é o mundo. Ninguém tem o que nós temos", afirmou Bolsonaro.

Nesta sexta-feira, o vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que a vitória de Biden "está cada vez mais sendo irreversível". "Como indivíduo, eu reconheço [o resultado], mas temos que olhar que eu não respondo pelo governo", afirmou Mourão.

Rússia critica eleição americana

Na segunda-feira (9), o porta-voz da presidência russa, Dmitri Peskov, afirmou que "é correto esperar os resultados oficiais das eleições".

Ontem, o chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, chamou o sistema eleitoral americano de "arcaico" e afirmou que "parabéns são enviados antes da publicação dos resultados quando não há disputa".

search