Dollar R$ 5,38 Euro R$ 5,76
Dollar R$ 5,38 Euro R$ 5,76

Judiciário Sexta-feira, 17 de Maio de 2024, 07:03 - A | A

Sexta-feira, 17 de Maio de 2024, 07h:03 - A | A

CONDENADO

Padre que abusou de adolescentes tem liberdade negada pela sétima vez

Bruna Cardoso

Repórter | Estadão Mato Grosso

O ministro Ribeiro Dantas, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou, pela sétima vez, o pedido de habeas corpus do padre Nelson Koch. Ele foi condenado a 48 anos de prisão por estupro de vulnerável e segue encarcerado na Penitenciaria Osvaldo Florentino Leite Ferreira (Ferrugem), em Sinop. A decisão foi publicada nesta quarta-feira, 15.

“Esta petição é, em suma, somente uma sétima tentativa de reverter a prisão preventiva, em autos diversos dos 6 writs já rejeitados por este Tribunal. Ante o exposto, indefiro o pedido”, decidiu.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

Desta vez, a defesa alegou que o padre está preso antes do julgamento da pena e pediu para que ele aguardasse o julgamento em liberdade.

Entretanto, o ministro explicou e grifou que Nelson não pode esperar o julgamento em liberdade, pois já foi condenado em 17 de outubro de 2022 a 48 anos de reclusão. Dantas afirmou que o padre está preso para garantir a ordem pública.

“Ou seja: não se tem, aqui, uma execução provisória do acórdão condenatório, a ser obstada pela concessão de efeito suspensivo ao recurso especial, pois o acusado se encontra preso preventivamente, conforme o permissivo do art. 312 do CPP. Colocar o réu em liberdade só seria possível com a revogação da custódia cautelar, o que já foi negado neste STJ em 6 ocasiões distintas”, sustentou.  

Sobre o crime

Nelson Koch foi preso sob a acusação de estuprar dois menores de idade, de 15 e 17 anos. Segundo o delegado Pablo Bonifácio Carneiro, a mãe de uma vítima procurou o plantão da Polícia Civil e declarou que seu filho, de 15 anos, trabalhava desde o ano anterior na igreja liderada pelo religioso e teria sofrido abusos sexuais praticados em diferentes períodos. 

A Polícia Civil também representou pelo afastamento do sigilo de dados e pela autorização de acesso e extração de dados contidos em dispositivos eletrônicos apreendidos na casa do suspeito.

search