Dollar R$ 5,57 Euro R$ 6,07
Dollar R$ 5,57 Euro R$ 6,07

Cidades Segunda-feira, 21 de Dezembro de 2020, 15:00 - A | A

Segunda-feira, 21 de Dezembro de 2020, 15h:00 - A | A

ARTETERAPIA

Oficina de arte leva autoconfiança a adolescentes do socioeducativo feminino de Cuiabá

As três meninas fizeram pintura em vasos de cerâmica e plantio de mudas de alecrim e manjericão, na aula ministrada pela artista plástica Isa Sousa

Nara Assis | Sesp-MT

Para quem cumpre medida socioeducativa, o tempo passa mais devagar e a distância de familiares e amigos gera ansiedade, angústia e incertezas. São sentimentos difíceis de lidar, que exigem atividades alternativas como a oficina de pintura em vasos e plantio de mudas, ministrada às adolescentes da Unidade de Internação Provisória e Internação Feminina de Cuiabá, no último sábado (19.12).

Foi a segunda vez que a artista plástica Isa Sousa dedicou tempo e conhecimento às jovens, mas ela garante que aprende muito com a iniciativa. “A primeira vez foi em fevereiro deste ano, antes da pandemia. Tenho uma oficina preparada já faz um tempinho, de introdução à aquarela, que tem como objetivo ensinar um pouco da técnica construindo planetas (reais ou imaginados). Aceitei logo de cara porque acho que sempre aprendo um pouco nesses processos”.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

Ela ressalta ainda que apesar de o objetivo principal ter sido aprender a técnica, construir planetas, seus próprios planetas, é algo que vai além. “São meninas com histórias de vida difíceis e acredito muito que a arte é uma válvula de escape em momentos como o que elas passam ali. Acredito muito na potência da arte como ferramenta de transformação social”.

Durante a segunda edição da oficina, as três meninas fizeram pintura em vasos de cerâmica e também o plantio de mudas de alecrim e manjericão. Isa Sousa, que é pós-graduanda em Arteterapia e jornalista, diz que a autoconfiança faz parte do processo de transformação.

“Eu tenho consciência que são vidas difíceis, com a ausência certamente não só de bens materiais, mas também afetivos. Eu mesma sei que a arte muda, transforma, porque me ajuda diariamente na luta contra o transtorno de ansiedade”, ressalta.

Os materiais utilizados foram fornecidos por ela e pela idealizadora do projeto e educadora física da unidade, Marcela Pianesso Vieira.

“Em alguns momentos elas ficam muito ansiosas, por isso procuramos sempre realizar atividades com o intuito de acalmá-las, mas também passar conhecimento que pode servir para o desenvolvimento futuro de uma atividade externa que possa ser uma fonte de renda”, avalia a servidora.  

A arte como terapia

Antes das oficinas, ela realizava trabalhos mais simples, como desenhos em folhas de papel, e agora as técnicas foram ampliadas, por meio das oficinas. Marcela Pianesso conta também que as jovens trabalham com música, como o rap.

“Elas escrevem letras, estimulamos também a meditação, a arte vem ao encontro disso, percebemos que durante o momento em que elas estão nas atividades, elas focam, é algo que faz muito bem”, acrescenta.

A gerente da unidade, Jaqueline de Souza Fortaleza, destaca que os parceiros são muito importantes para concretizar projetos como este.

“É algo que desenvolve nelas um sentimento de autoconfiança e autoestima, proporciona interação com a terra, com as plantas. Elas visualizam o resultado do próprio trabalho e, com isso, vislumbram também muitas possibilidades. Elas se sentem mais capazes ao olhar o resultado daquilo que elas fizeram. Então representa uma satisfação pessoal muito grande, por isso só temos a agradecer os parceiros e servidores envolvidos”.    

A receptividade e interesse das adolescentes é percebido durante e ao final das oficinas, como relata a artista plástica.

“Eu confesso que sempre fico insegura, mas a aceitação é muito boa. O fato de elas perguntarem depois para o pessoal quando eu volto é um sinal de que elas gostaram. Elas sempre se envolvem e participam ativamente do processo. Mais do que falar, meu processo em sala é percebê-las e ouvi-las. Escutar ativa e afetivamente, é um processo natural e que flui. Fico imensamente feliz por essas horinhas em sala de aula e para 2021 espero que o projeto continue”, conclui Isa Sousa.

search