Dollar R$ 5,12 Euro R$ 5,56
Dollar R$ 5,12 Euro R$ 5,56

Brasil Domingo, 25 de Dezembro de 2022, 10:03 - A | A

Domingo, 25 de Dezembro de 2022, 10h:03 - A | A

ATAQUE INTERCEPTADO

Bolsonarista é preso suspeito de montar 'bomba' perto de Aeroporto de Brasília

A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu na noite deste sábado (24) um homem suspeito de montar um artefato explosivo nos arredores do aeroporto de Brasília, em um caminhão de combustível. Mais cedo, o objeto foi detonado pela Polícia Militar.

Segundo informado pela Polícia Civil, o homem é um empresário bolsonarista, de 54 anos. O delegado-geral da corporação, Robson Candido, informou em entrevista coletiva que ele veio do Pará a Brasília para participar das manifestações em apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PL), que ocorrem no quartel-general do Exército.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

O delegado não informou o nome do suspeito. "Não, o nome a gente vai preservar. A gente não vai revelar agora, nem passar o nome dele", disse. A TV Globo flagrou, em imagens exclusivas, o momento em que o homem chegou à 1ª Delegacia de Polícia, na Asa Sul (vídeo acima).

"Ele é morador do Pará. E veio justamente para participar das manifestações lá no QG [do Exército], né, que assim eles intitulam. Ele faz parte desse movimento de apoio ao atual presidente. E eles estão aí nessa missão ideológica, mas que saiu do controle e as autoridades policiais, principalmente aqui em Brasília, nós iremos tomar todas as providências", afirmou.

"Iremos prender qualquer um que atente contra o Estado Democrático de Direito, principalmente com ameaças e, principalmente agora, com bombas. Isso é uma coisa que não existia em Brasília e nós não permitiremos nenhum tipo de manifestação que possa causar mal às pessoas ou ao patrimônio público", continuou.

 

O homem foi localizado e preso em um apartamento no Sudoeste, na região central do Distrito Federal, e confessou que tinha intenção de explodir o artefato no aeroporto.

De acordo com a polícia, depois de montar o artefato, o suspeito entregou o objeto para uma outra pessoa - já identificada pelos investigadores - que ficou responsável por levar o dispositivo até a região do Aeroporto JK.

Segundo a investigação, a ideia inicial dos criminosos era que o explosivo fosse depositado próximo a um poste, para prejudicar a distribuição de energia elétrica na capital. Mas, de última hora, a decisão acabou sendo por colocar o objeto em uma caixa apoiada no caminhão de combustível, que estava carregado de querosene de aviação.

Com o suspeito, foi apreendido um arsenal com pelo menos duas espingardas, um fuzil, dois revólveres, três pistolas, centenas de munições e uniformes camuflados. No apartamento, foram encontradas outras cinco emulsões explosivas.

De acordo com a polícia, o homem tinha registro como Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador (CAC), mas o documento estava em situação irregular e, por isso, ele foi autuado por posse e porte ilegal de armas, munições e explosivos, além de ter sido processado por crime contra o estado democrático de direito. Outras pessoas também estão envolvidas no crime e a polícia já trabalha para localizá-las.

O futuro ministro da Justiça, Flávio Dino, parabenizou a polícia pela operação. "Cumprimento a Polícia Civil do DF pela prisão e apreensões efetuadas nesta noite, com aparente ligação com o artefato explosivo desta manhã. Fotos mostram o terrível efeito do extremismo no Brasil. Que todos rezemos nesta noite por paz", postou ele numa rede social.

Artefato em caminhão

Segundo a Polícia Militar, o motorista de um caminhão-tanque de combustível percebeu um objeto estranho no veículo e alertou policiais na área. Ele não soube dizer quem havia deixado o material ali. A polícia descarta a participação do motorista no caso.

"A priori, o motorista não tem nada a ver com a situação, nem o caminhão. O caminhão seria utilizado supostamente para levar o artefato explosivo para algum lugar", disse o delegado da 10ª DP, Marcelo Fernandes.

Flávio Dino disse que o material detonado era "emulsão de pedreira", uma espécie de explosivo que costuma ser usado por mineradoras em escavações.

Segundo a política, a perícia constatou que os criminosos teriam tentado detonar o explosivo, mas ele não teria funcionado.

search