Dollar R$ 5,17 Euro R$ 5,61
Dollar R$ 5,17 Euro R$ 5,61

Brasil Quinta-feira, 29 de Dezembro de 2022, 17:21 - A | A

Quinta-feira, 29 de Dezembro de 2022, 17h:21 - A | A

NENHUM PRESO

Após um mês, polícia ainda não concluiu inquérito sobre ataque à jovem em ônibus

g1

O caso da jovem de de 23 anos que teve o rosto cortado enquanto dormia durante uma viagem de ônibus do Recife (PE) para Salvador (BA) completa um mês nesta quinta-feira (29). As imagens de câmeras de segurança do transporte mostram o momento em que passageira levanta e se aproxima da jovem. A Polícia Civil investiga o crime e até então ninguém foi preso.

A estudante de enfermagem Stefani Firmo contou que o inquérito do caso ainda não foi concluído e que aguarda o resultado do exame de corpo delito que fez em Salvador. Ela espera que o caso seja finalizado após o período das festas de fim de ano.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

O g1 entrou em contato com a Polícia Civil e pediu atualizações sobre as investigações, mas não teve resposta até a publicação desta matéria.

"As vezes eu acordo no horário que percebi o corte, como em um estado de alerta", contou a estudante que levou 18 pontos no rosto por causa do corte profundo.

Além disso, Stefani relatou teve medo de ficar sozinha e chegou a convidar amigos para lhe fazer companhia em casa. Ao andar de ônibus pela primeira vez após ter o rosto cortado, a estudante se sentiu 'agoniada'.

"Eu não cheguei a ter crise de ansiedade no ônibus, mas fiquei em alerta, olhando para os lados o tempo todo. Quando vi as pessoas na posição que eu estava no ônibus, com o pescoço 'dando bobeira', fiquei agoniada", explicou.

Para a jovem, a pessoa que fez o corte queria atingi-la no pescoço, mas não conseguiu porque ela estava coberta com o edredom.

"Pra mim, ela queria me atingir da forma mais brutal possível. Mas eu estava coberta até o pescoço e de óculos, então só sobrou a bochecha. Para mim, foi um livramento", afirmou.

Para lidar melhor com a situação, Stefani faz acompanhamento psicológico semanal. Ela explicou que só compreendeu a dimensão do crime alguns dias depois.

"No início eu estava anestesiada. Eu consegui lidar de forma racional porque eu não podia desmoronar, precisava dar as entrevistas para conseguir resolver o caso. Quando tudo acalmou, foi quando eu senti", contou.

No dia 8 de dezembro, Stefani retirou os pontos que levou no rosto. Ela está em acompanhamento com uma dermatologista e há a possibilidade de passar por um procedimento invasivo de reparação.

search