Dollar R$ 5,17 Euro R$ 5,61
Dollar R$ 5,17 Euro R$ 5,61

Política Quinta-feira, 24 de Novembro de 2022, 13:15 - A | A

Quinta-feira, 24 de Novembro de 2022, 13h:15 - A | A

ABUSO DE AUTORIDADE

Metade da bancada de MT na Câmara assina criação da "CPI do Xandão"

Deputados querem investigar ações de Alexandre de Moraes no exercício de ministro do Supremo e presidente do TSE

Rafael Machado

Repórter | Estadão Mato Grosso

Metade da bancada de Mato Grosso na Câmara Federal, ou seja quatro parlamentares, assinou o requerimento apresentado pelo deputado federal Marcel van Hattem (Novo-RS) para abrir uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) contra suposto abuso de autoridade do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Do estado, até o momento, assinaram a proposta Dr Leonardo (Republicanos), Juarez Costa (MDB), José Medeiros e Nelson Barbudo, ambos do PL.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

"O que a mais alta Corte, na figura de alguns ministros está praticando, já ultrapassou as raias do absurdo", disse Barbudo no seu perfil no Instagram. "O Brasil só tem um dono: o povo!", destacou José Medeiros.

O autor do requerimento informou nas redes sociais que faltam apenas três assinaturas das 171 necessárias para a abertura da investigação.

Em vídeo publicado nas redes, Marcel explica que a proposta de CPI tem a finalidade de investigar "a violação de direitos e garantias fundamentais a prática de condutas arbitrárias, sem a observância do devido processo legal, inclusive a adoção de censura e atos de abuso de autoridade por membros do Tribunal Superior Eleitoral e do Supremo Tribunal Federal".

A investigação irá apurar as determinações proferidas pelos ministros relacionadas a busca e apreensão no endereço de empresários por terem compartilhado mensagens por aplicativos; da determinação de bloqueio das contas bancárias de 43 pessoas e empresas suspeitas de financiarem atos antidemocráticos; da censura a parlamentares, do economista Marcos Cintra, a produtora Brasil Paralelo, a emissora Jovem Pan e ao jornal Gazeta do Povo.

search