Dollar R$ 5,38 Euro R$ 5,76
Dollar R$ 5,38 Euro R$ 5,76

Política Quarta-feira, 22 de Maio de 2024, 22:48 - A | A

Quarta-feira, 22 de Maio de 2024, 22h:48 - A | A

CONFUSÃO NA CÂMARA

“Esta Comissão está ainda mais irregular que a outra”, diz advogado de Edna Sampaio

Julier Sebastião diz que é falsa a afirmativa que a vereadora tenha renunciado seu direito à defesa

Da Redação

Redação | Estadão Mato Grosso

Advogado da vereadora Edna Sampaio (PT), o ex-juiz federal Julier Sebastião afirmou que a situação da Comissão Processante que investiga a vereadora atualmente é ainda mais irregular que a anterior, que acabou sendo suspensa pela Justiça devido a irregularidades processuais. Julier também atuou na defesa de Edna no outro processo de cassação.

Julier afirmou que é falsa a afirmativa que a vereadora tenha renunciado seu direito à defesa. Segundo ele, Edna tem advogados constituídos nos autos processuais e, por isso, não pode ser intimada no ato do processo.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

“Eles não estão intimando os advogados, estão fazendo a intimação na pessoa da vereadora, o que é absolutamente ilegal”, disse. “Você tem que intimar os advogados constituídos. E o processo por si só já é nulo”, complementou.

O jurista também explicou que apesar de o decreto-lei 201/67, que rege o rito processual da Comissão Processante na Câmara Municipal, permitir a abertura de um novo processo com a mesma denúncia, a norma não permite que os dois processos estejam abertos ao mesmo tempo.

Julier sustenta que, para que o processo atual seja legal, o anterior deveria ter sido encerrado. Porém, na visão do jurista, a comissão anterior está apenas suspensa.

"Esta Comissão está totalmente à margem da lei. E no que se refere a decisões judiciais, as decisões são de análise preliminar, ainda não houve nenhuma decisão de mérito”, esclarece.

Julier conta ainda que essa questão de não intimar os advogados é apenas um dos questionamentos que serão levados à Justiça.

“O tempo jurídico é diferente de qualquer outro tempo. Dentro do tempo jurídico, a ação está tramitando. Tudo isso será decidido pelo judiciário. Tem muita água para rolar ainda embaixo dessa ponte”, concluiu.

search