Dollar R$ 5,12 Euro R$ 5,56
Dollar R$ 5,12 Euro R$ 5,56

Polícia Sábado, 02 de Março de 2024, 09:09 - A | A

Sábado, 02 de Março de 2024, 09h:09 - A | A

FACCIONADOS

Doze foragidos de alta periculosidade são presos em Cuiabá e VG

A Gerência de Polinter e Capturas da Polícia Civil prendeu, em 72 horas, na região metropolitana de Cuiabá, 12 foragidos da justiça considerados de alta periculosidade.

Durante todo o mês de fevereiro foram cumpridos 40 mandados de prisão e 406 cartas precatórias pela unidade policial.

Parte dos foragidos presos nesta semana é ligada a uma facção criminosa que atua no estado. Um deles é conhecido como ‘Popeye’ e atuava na função de disciplina  de uma organização criminosa, sendo responsável por cumprir ordens dos líderes do grupo. Ele tem várias passagens policiais por homicídio e associação criminosa. 

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

Outras prisões foram de três mulheres, também em funções de liderança na facção. Uma delas ordenou um duplo homicídio no mês de dezembro, em Juína.

O trabalho operacional da Polinter teve foco neste mês em prisões de crimes violentos e contra as mulheres. “A Gepol atende também as Polícias Civis de outros estados, como por exemplo, a de São Paulo que solicitou ajuda pra prender um aliciador de criança que estava foragido há bastante tempo e responde por estupro de vulnerável. O modo operante era aliciar crianças  oferecendo doces. E após conseguir a confiança, cometia o crime e armazenava imagens em seu celular”, destacou a delegada da Polinter, Sílvia Pauluzi.

Outra prisão realizada na última semana de fevereiro Polinter foi de uma mulher, A.V. procurada por integrar uma quadrilha de roubo a banco em diversos estados. Ela foi presa em Cuiabá, onde as equipes de inteligência e operacional da Polinter identificaram seu paradeiro e cumpriram o mandado oriundo da Justiça do Rio Grande do Norte. Naquele estado ela é acusada de roubo a banco e formação de quadrilha.

A Polinter também cumpriu 406 cartas precatórias de diversos estados, maioria delas referentes a crimes de estelionato.

search