Dollar R$ 5,43 Euro R$ 5,93
Dollar R$ 5,43 Euro R$ 5,93

Polícia Quarta-feira, 10 de Julho de 2024, 07:03 - A | A

Quarta-feira, 10 de Julho de 2024, 07h:03 - A | A

CASO ZAMPIERI

Delegado tem “101%’’ de certeza que empresário ordenou execução de advogado

Igor Guilherme

Repórter | Estadão Mato Grosso

O inquérito sobre a morte do advogado Roberto Zampieri, executado em dezembro do ano passado na porta do seu escritório, foi concluído nesta terça-feira (09) e o delegado Nilson Farias, da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) indiciou o empresário Aníbal Manoel Laurindo como o mandante do homicídio. Nilson, que encabeçou a investigação do caso desde a execução de Zampieri, afirma ter total certeza que Anibal é o mandante do crime.

A declaração foi dada nesta terça, em uma coletiva de imprensa na Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP). Aos jornalistas, Nilson afirmou que acredita totalmente na culpa de Anibal por uma série de fatos coincidentes.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

“Na fase dos inquéritos que é inquisitiva, a conclusão minha como autoridade policial é com 101% de certeza que foi Anibal quem mandou matar o advogado Roberto Zampieri”, declarou.

Para explicar a sua certeza, o delegado contou que tudo começou com uma disputa de terra em que Zampieri advogava para a parte contrária a Anibal e havia o risco de ele perder sua fazenda. A propriedade rural era tratada como uma coisa só pela Justiça, mas havia uma fazenda de Anibal e outra do seu irmão, que já havia perdido na Justiça.

Nilson explicou que uma das primeiras vezes que Anibal apareceu no bojo da investigação foi com um audio, onde o empresário dizia que não iria perder sua propriedade como o seu irmão havia perdido.

Além disso, no exato dia em que Zampieri entrou na Justiça para protocolar a produção de mais provas que pudessem auxiliá-lo na disputa de terra, Anibal foi ao escritório do jurista e tirou uma foto, enviando-a para o coronel do Exército Brasileiro Etevaldo Luiz Caçadini de Vargas, apontado como o financiador do crime e que segue preso no 44º Batalhão de Infantaria Motorizada.

Segundo o delegado, Anibal e Etevaldo se conheciam de Rondonópolis, terra natal do empresário e onde o coronel já serviu.

Leia mais sobre o caso aqui: Caso Zampieri

Apesar de todos os indícios e do indiciamento pelo delegado, Anibal segue em liberdade e caberá à Justiça analisar o inquérito e o pedido de prisão que Nilson pediu em desfavor do empresário.

search