Dollar R$ 5,11 Euro R$ 5,55
Dollar R$ 5,11 Euro R$ 5,55

Judiciário Quinta-feira, 08 de Fevereiro de 2024, 13:24 - A | A

Quinta-feira, 08 de Fevereiro de 2024, 13h:24 - A | A

INCONSTITUCIONAL

STF derruba lei que permitia posse de arma a servidores administrativos da Polícia Penal

Em decisão unânime, Suprema Corte ressalta que cabe exclusivamente à União legislar sobre posse de armas

Bruna Cardoso

Repórter | Estadão Mato Grosso

O Supremo Tribunal Federal (STF), em decisão unânime, tornou inconstitucional a lei que permitia posse de arma de fogo para agentes da área administrativa da Policial Penal de Mato Grosso. A decisão foi tomada pela Corte do STF e publicada nessa terça-feira, 6 de fevereiro.

“O Tribunal, por unanimidade, julgou procedente a ação direta e declarou a inconstitucionalidade do art. 43-A, § 7º, da Lei Complementar n. 389/2010, incluído pela Lei Complementar n. 748/2022, ambas do Estado do Mato Grosso, nos termos do voto do Relator”, diz a decisão.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

Relator do processo, o ministro Cristiano Zanin argumentou que cabe exclusivamente à União autorizar e fiscalizar a produção e o comércio de armas de fogo, bem como legislar sobre o assunto. Desta forma, não pode o Poder Estadual, nem o Municipal, criar novas regras para posse de arma.

“Lei estadual que conceda o porte de arma de fogo institucional a que tem direito o servidor agente penitenciário estadual a outras categorias da estrutura organizacional da Polícia Penal é formalmente inconstitucional, violando a competência atribuída à União”, sustentou o relator.

Apesar de os agentes administrativos serem da Policial Penal, os servidores não empenham atividades de custódia e segurança no sistema prisional.

search