Dollar R$ 5,11 Euro R$ 5,55
Dollar R$ 5,11 Euro R$ 5,55

Judiciário Segunda-feira, 11 de Março de 2024, 17:53 - A | A

Segunda-feira, 11 de Março de 2024, 17h:53 - A | A

CASO ZAMPIERI

Fazendeiro suspeito de mandar matar advogado é liberado em audiência de custódia

Apesar de conceder liberdade a Aníbal Manoel Laurindo, o juiz determinou que fossem aplicadas medidas cautelares

Bruna Cardoso

Repórter | Estadão Mato Grosso

O fazendeiro Aníbal Manoel Laurindo, apontado como um dos mandantes do assassinato do advogado Roberto Zampieri, teve liberdade concedida no final da tarde desta segunda-feira, 11 de março. Ele havia sido preso preventivamente pela manhã, mas foi solto após passar pela audiência de custódia. A mulher do fazendeiro, Elenice Ballarotti Laurindo, segue foragida. A decisão é do juiz João Bosco Soares, do Núcleo de Inquéritos Policias (Nipo).

Apesar de conceder liberdade ao fazendeiro, o juiz determinou que fossem aplicadas medidas cautelares, como o uso de tornozeleira eletrônica, retenção do passaporte e do registro de Colecionador, Atirador e Caçador (CAC). Ele também está proibido de sair de Cuiabá sem aviso prévio.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

Ainda não há informações se os efeitos da ação que libertou o fazendeiro se expandem à esposa, que também é investigada por suspeita de envolvimento no assassinato. Por hora, o nome dela ainda consta no banco de dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) como foragida.

Segundo o delegado Nilson Farias, da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Aníbal acreditava que Zampieri exercia influência sobre as decisões do alto escalão da Justiça mato-grossense, o que poderia prejudicá-lo nos processos por disputa de terra.

Anibal e Zampieri estavam em lados opostos em uma disputa que se arrastava há 20 anos no Judiciário, por terras com o valor estimado em R$ 6 milhões, no município de Paranatinga. Dias antes de ser assassinado, Zampieri buscava junto à Justiça uma ordem para reintegração de posse.

search