Dollar R$ 5,17 Euro R$ 5,61
Dollar R$ 5,17 Euro R$ 5,61

Judiciário Sexta-feira, 19 de Janeiro de 2024, 11:49 - A | A

Sexta-feira, 19 de Janeiro de 2024, 11h:49 - A | A

REVIRAVOLTA

Executor conta que mandante do crime tem sotaque italiano e juiz dá liberadade a mulher

Bruna Cardoso

Repórter | Estadão Mato Grosso

A suspeita de ser a mandante do assassinato, Maria Angélica Caixeta Gontijo, teve o pedido de habeas corpus acatado pelo juiz João Bosco Soares da Silva, do Núcleo de Inquéritos Policiais (Nipo), nesta quinta-feira, 18. Em depoimento o assassino, Antônio Gomes da Silva, contou que o mandante na verdade era um homem com sotaque italiano.

A informação dada em depoimento pelo executor teria sido a principal causa para conceder liberdade à Maria Angélica.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

Entretanto, no primeiro momento dos autos, Antônio Gomes da Silva revela que a mandante poderia ser uma mulher.

“Questionado Antônio quem seria essa mulher e ele disse não saber, questionamos Antônio se a mandante seria a mulher que havia sido presa e ele nos perguntou se a mulher foi presa aqui e nós informamos que sim, tendo ele nos dito a MULHER NÃO É DAQUI, dando entender que o mandante do crime é uma mulher”, diz trecho do documento policial.

Porém, a defesa anexou a frase em que Antônio revela que o mandante era um homem com sotaque italiano. O advogado de defesa também salientou que a suspeita se apresentou na polícia e entregou o passaporte, as armas e telefone celular.

Diante dos fatos, o juiz explicou que não havia motivos para que Maria Angélica permanecesse presa e impôs medidas cautelares como o uso de tornozeleira eletrônica.

search