Dollar R$ 5,17 Euro R$ 5,61
Dollar R$ 5,17 Euro R$ 5,61

Cidades Segunda-feira, 15 de Janeiro de 2024, 16:34 - A | A

Segunda-feira, 15 de Janeiro de 2024, 16h:34 - A | A

ECONOMIA ABALADA

Prefeito de Chapada estuda processar o governo pela interdição da MT-251

Fechamento na região do Portão do Inferno já teria causado queda de 50% no fluxo de turistas, causando prejuízos aos empresário

Bruna Cardoso

Repórter | Estadão Mato Grosso

O deputado estadual Wilson Santos (PSD) revelou na manhã desta segunda-feira, 15 de janeiro, que a Prefeitura de Chapada dos Guimarães estuda processar o Governo do Estado por fechar a rodovia MT-251. Segundo ele, a interdição na região do Portão do Inferno já teria causado queda de 50% no fluxo de turistas na cidade, causando prejuízos aos empresários.

Principal ligação entre Chapada e Cuiabá, a rodovia está sendo bloqueada em período de chuva desde o dia 23 de dezembro, pela Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra-MT). Agora, o trecho passa por obras de contenção e é fechado de terça a sexta-feira, das 8h às 14h.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

"O prefeito [Osmar Froner (MDB)] abordou a possibilidade de entrar com mandado de segurança essa semana para ver se a Comarca de Chapada concede liminar determinando a liberação do trânsito pelo menos em meia pista e continuar no sistema siga e pare", disse Wilson, em entrevista à Rádio Capital 

Segundo o deputado, a população de Chapada já começou a sentir os impactos econômicos do bloqueio da MT-251. As rotas alternativas aumentaram a distância para a capital, o que elevou o preço dos fretes. Com isso, o prefeito de Chapada chegou a dizer que o pacote de arroz de 5kg está custando R$ 55 na cidade.

"Muitos donos de pousada revoltados, donos de supermercados. Muita gente desesperada em Chapada. Já começaram a acontecer as primeiras demissões e nós estamos cobrando do Estado, porque há sete anos já existe a autorização para fazer o projeto e tomar as decisões que deveriam ser tomadas", afirmou Wilson.

search