Dollar R$ 5,38 Euro R$ 5,76
Dollar R$ 5,38 Euro R$ 5,76

Política Domingo, 07 de Novembro de 2021, 07:00 - A | A

Domingo, 07 de Novembro de 2021, 07h:00 - A | A

CONTESTAÇÃO

Maia aciona STF para anular votação que aprovou PEC dos Precatórios em primeiro turno

G1

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (sem partido-RJ) entrou com um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF), neste sábado (6), para questionar o rito adotado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), na votação da PEC dos Precatórios.

A proposta de Emenda à Constituição é a principal aposta do governo para viabilizar o Auxílio Brasil de R$ 400. O texto foi aprovado em primeiro turno na Câmara nesta quarta (3) com placar apertado – eram precisos 308 votos favoráveis, e o governo conseguiu reunir 312.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

No mandado de segurança, Maia afirma, no entanto, que "o processo de aprovação ignorou por completo a Constituição e normas regimentais, numa sequência de graves violações ao devido processo legal legislativo".

O documento aponta ao STF dois "vícios" principais na tramitação:

A autorização para que deputados em missão oficial participassem da sessão, concedida pela Mesa Diretora da Câmara horas antes da votação;

A apresentação de uma "emenda aglutinativa" que, na prática, adicionou novos trechos à PEC durante a análise do texto em plenário.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

A votação do segundo turno da PEC está prevista para a próxima terça (8). Arthur Lira marcou a sessão para as 9h porque, antes do segundo turno, será preciso votar em primeiro turno os destaques – trechos para os quais houve pedido de votação em separado.

Aval para votação remota

Na tarde de quarta (3), horas antes de a PEC dos Precatórios ser votada em primeiro turno, a Mesa Diretora da Câmara publicou uma autorização para que deputados em "missão autorizada pela Câmara" participassem de votações a distância.

A medida permitiu que deputados da comitiva enviada à COP26 em Glasgow, na Escócia, participassem da votação da PEC dos Precatórios. Até aquele momento, o governo enfrentava dificuldades para garantir os 308 votos necessários à aprovação de uma emenda à Constituição.

"É gravíssimo que se publique uma edição extraordinária do Diário Oficial da Câmara para mudar as regras do jogo no meio do jogo! Tudo isso para produzir o resultado que os bolsonaristas querem: aprovar a PEC do calote. É inaceitável", afirmou na quarta o líder da oposição na Câmara, Alessandro Molon (PSB-RJ), em reação ao ato da Mesa Diretora.

De acordo com o mandado de segurança assinado por Rodrigo Maia, a mudança na regra permitiu que 11 deputados escalados para a viagem a Glasgow participassem da sessão, sendo que sete deles votaram a favor da PEC.

Alguns desses deputados chegaram a votar presencialmente na sessão da última quarta porque, apesar de listados na missão oficial, ainda não tinham embarcado para a Europa. Segundo o mandado de segurança enviado ao STF, no entanto, essa participação foi irregular.

"A verdade é que, ao permitir a publicação repentina do 'Ato da Mesa nº 212' de 03/11/2021 e a colheita de votos de deputados afastados do exercício da função legislativa, houve evidente abuso de poder por parte do Presidente da Câmara dos Deputados, que se valeu daquele artifício para alavancar uma PEC utilizada como manobra política para fins de reeleição do atual governo nas campanhas de 2022, para além de burla ao processo legislativo e desrespeito ao interesse público que motivou o afastamento", diz o documento.

'Emenda aglutinativa'

Em entrevista à GloboNews nesta sexta (5), Maia já havia dito que a emenda aglutinativa abre um precedente grave, pois permite que matérias novas sejam incluídas na PEC durante a apreciação em plenário, comprometendo a transparência do processo legislativo.

Para o ex-presidente da Câmara, a atitude de Lira foi uma manobra no regimento interno. Maia argumenta que sugestões que alterem o teor da PEC só podem ser feitas em plenário se tiverem sido apresentadas anteriormente na comissão especial – o que não aconteceu com a regra que dá prioridade aos precatórios do Fundef.

“O que é uma emenda aglutinativa para aqueles que não conhecem? A palavra já diz, você está juntando duas partes. O que o regimento permite? Que você junte partes do texto original com as emendas oferecidas. Como não há emenda oferecida, você não tem como aglutinar nada, você não tem como juntar nada na matéria. Você não pode ter uma emenda aglutinativa de temas que não existem, ou no relatório do relator para ser votado, ou na emenda constitucional. O que ele fez? Apresentaram uma emenda aglutinativa com textos que não existem na PEC e de emendas que não foram apresentadas. Então, eu digo ser uma emenda fantasma que a Câmara votou”, ressaltou Maia à GloboNews na sexta.

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

OAB também vê manobra

A Ordem dos Advogados do Brasil concorda com o argumento de Maia. A entidade divulgou nota nesta sexta afirmando que “questiona a legitimidade da votação, em primeiro turno, no plenário da Câmara, da PEC que altera o regime de pagamento dos precatórios, por descumprimentos do regimento interno”. E estuda possíveis ações legais para suspender o resultado.

Em outras votações de PECs na Câmara, quando o plenário propôs mudanças significativas no texto, a proposta voltou à comissão especial entre o primeiro e o segundo turno. Para a PEC dos Precatórios, no entanto, Lira não sinalizou até o momento intenção de adotar o mesmo trâmite.

search