Dollar R$ 5,45 Euro R$ 5,83
Dollar R$ 5,45 Euro R$ 5,83

Política Quarta-feira, 01 de Dezembro de 2021, 12:35 - A | A

Quarta-feira, 01 de Dezembro de 2021, 12h:35 - A | A

VARIANTE DA COVID

Emanuel proíbe festas de Réveillon e Carnaval após confirmação da ômicron

Da Redação

Redação | Estadão Mato Grosso

O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) assinou novo decreto que proíbe a realização de festas de Réveillon e Carnaval devido à nova variante do novo coronavírus, denominada ômicron, detectada no Brasil na última terça-feira (31 de novembro). O decreto deve ser publicado na Gazeta Municipal de Cuiabá desta quinta-feira (2). A medida também deve afetar as casas de festas na Capital.

O decreto também leva em consideração que cerca de 20 mil pessoas não compareceram aos postos de vacinação para serem vacinadas com a primeira dose e que outras 57 mil não receberam a segunda dose. O anúncio foi feito na manhã desta quarta-feira (1º), durante coletiva de imprensa realizada no auditório da Secretaria Municipal de Educação.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

“Independentemente se ela é mais agressiva ou menos agressiva, me parece que ela tem um poder de propagação muito rápido, independentemente de ser menos letal ou mais letal, uma vida de um cuiabano, de uma cuiabana, vale ouro”, disse Emanuel.

Com relação ao Réveillon, estão liberadas apenas as festas familiares no âmbito das residências. Já em relação ao passaporte da vacinação, Emanuel Pinheiro afirmou que antes de publicar o decreto, se reunirá com representantes do setor produtivo, já que foram eles os mais impactados economicamente pela pandemia.

“Eu achei melhor ponderar que o setor produtivo tem que ser ouvido. Eles foram bastante penalizados, muitas atividades quebraram, fecharam as portas, muitos ainda vivem um momento dificílimo da sua atividade, muitos desempregos ocorreram em virtude disso. Então, apesar da saúde coletiva ser prioridade, temos que ouvir e tomar decisão conjunta com o setor produtivo”, afirmou.

search