Dollar R$ 5,38 Euro R$ 5,76
Dollar R$ 5,38 Euro R$ 5,76

Política Terça-feira, 26 de Outubro de 2021, 13:59 - A | A

Terça-feira, 26 de Outubro de 2021, 13h:59 - A | A

EMENDAS OBRIGATÓRIAS

Deputados citam lerdeza de secretarias e tentam acabar com percentuais impositivos

Jefferson Oliveira

Repórter | Estadão Mato Grosso

Brenda Closs

Estagiária | Estadão Mato Grosso

Os deputados estaduais de Mato Grosso apresentaram uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que desobriga os parlamentares a deslocar emendas constitucionais impositivas para determinadas secretarias. Em conversa com jornalistas na manhã desta terça-feira (26), Wilson Santos (PSDB) disse que a proposta dará mais autonomia aos deputados.

A matéria foi submetida a votação nesta terça-feira (26) e aprovada em primeira, já com cinco substitutivos integrais - que alteram toda a redação do projeto. O texto aprovado está de acordo com o substitutivo nº 4.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

Atualmente, parte das emendas dos deputados estaduais são obrigatoriamente destinadas para investimentos em Educação, Saúde, Cultura e Esporte. A proposta inicial da PEC buscava permitir o remanejamento desses valores livremente em situações de calamidade pública ou emergência, com o objetivo de facilitar o combate ao problema em questão.

O substitutivo integral nº 4 ampliou essa ‘flexibilização’, permitindo que as emendas também sejam destinadas integralmente para a Saúde e Assistência Social.

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

“Aqui você tem algumas secretarias que não pagam rigorosamente as emendas parlamentares. Nós queremos colocar nossas emendas para que cheguem lá na ponta, para quem atende a população. Aquelas secretarias que tenham histórico de pagamento, histórico de respeito e que compreendam o papel do parlamentar”, avaliou.

Defensor do texto original da PEC, Wilson Santos explica que o modelo atual de destinação das emendas parlamentares acaba gerando perdas nos recursos destinados pelos deputados, já que algumas secretarias não conseguem cumprir os repasses.

“Historicamente há perdas enormes nessas secretarias e os deputados, cansados dessas perdas, resolveram apresentar uma PEC que dá autonomia ao deputado que se ele quiser colocar 100% na cultura ele coloca, 100% em obras e serviços, área de ciência e tecnologia... ele coloca onde quiser”, explicou o tucano.

Sem citar nomes, Wilson disse que algumas secretarias não possuem pessoas qualificadas para fazer um estudo, analisar o projeto e dar velocidade nele.

“Tem algumas dessas secretarias que, talvez, não tenham pessoal qualificado, não haja boa vontade do gestor chefe. As emendas vão para essas pastas e nem sempre são pagas, uma burocracia, um complexo de exigências e o deputado fica desmoralizado na base, porque ele anuncia no seu município que vai atender com a emenda e aí quando chega na secretaria, não há o cumprimento”, pontuou.

Mas até a aprovação do texto final, muita coisa ainda pode mudar no texto da PEC das Emendas. Na sessão desta terça, o deputado estadual Waldir Barranco (PT) apresentou um novo substitutivo integral, de nº 5, que limita a parcela das emendas parlamentares que podem ser aplicadas livremente. Conforme o texto do substitutivo nº 5, só 45% dos recursos podem ser aplicados livremente. Os 55% restantes devem ser obrigatoriamente investidos nos seguintes setores: Educação (25%), Saúde (15%), Esporte (6,5%), Cultura (6,5%) e Assistência Social (2%).

search