Dollar R$ 5,17 Euro R$ 5,62
Dollar R$ 5,17 Euro R$ 5,62

Polícia Sábado, 26 de Novembro de 2022, 11:58 - A | A

Sábado, 26 de Novembro de 2022, 11h:58 - A | A

CANETADA SELETIVA

VÍDEO: Autoridades ignoram arruaça em acampamentos, mas multam em porta de escolas

Gabriel Soares

Editor-Chefe | Estadão Mato Grosso

Acampados há quase 30 dias em frente aos batalhões do Exército em Cuiabá, manifestantes que contestam o resultado das urnas na eleição presidencial contam com a conivência do Poder Público para manter o caos no trânsito da capital. Moradores dessas vizinhanças precisam conviver com veículos estacionados sobre canteiros e bloqueios constantes nas avenidas, além do mau cheiro causado pelo acampamento e o barulho constante de fogos.

Leitor do Estadão Mato Grosso encaminhou vídeo registrado na noite desta sexta-feira, 25 de novembro, mostrando que mais uma vez os manifestantes estavam bloqueando o trânsito parcialmente na Avenida do CPA, em frente à 13º Brigada de Infantaria Motorizada. Nas imagens, é possível ver que uma viatura da Polícia Militar estacionada em meio ao bloqueio na outra pista, como se desse apoio à manifestação.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

Mais cedo, agentes de trânsito estavam multando motoristas que estacionavam próximo a uma tradicional escola particular de Cuiabá, para buscar seus filhos. Blitze também foram realizadas em vários pontos da capital na última semana, mas nenhuma ação é tomada contra os manifestantes que ocupam a Avenida do CPA, nem contra as pessoas que deixam seus carros sobre calçadas, canteiro central e ruas paralelas para inflar o acampamento aos finais de semana.

“Com a autorização de quem eles fecham a rua? Estacionam na calçada, de qualquer jeito e a polícia ainda dá proteção” questiona o leitor, no vídeo.

Moradores da região também reclamam do acampamento. Eles relatam que um forte cheiro de urina toma conta das calçadas, principalmente ao final do dia, já que alguns dos manifestantes fazem suas necessidades em banheiros químicos às margens da avenida. Além disso, reclamam que os manifestantes soltam fogos constantemente e que o trânsito no bairro “fica impossível” devido ao bloqueio na Avenida do CPA.

“Sou obrigada a tomar um caminho alternativo todos os dias para levar minha filha à escola e o trânsito aqui no bairro está infernal nos horários de pico, mas ninguém faz nada”, reclama uma moradora, que pediu para não ser identificada por medo de represálias.

“Porque essas pessoas não vão para casa? Elas não têm trabalho, não têm contas para pagar? Cadê os guardas para acabar com essa arruaça?”, desabafa.

Os atos que contestam o resultado das urnas já foram declarados ilegais pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que vê uma tentativa de pressionar as forças armadas por um golpe de Estado para impedir a posse do presidente eleito pelas urnas.

Porém, as autoridades de Mato Grosso permanecem inertes frente aos abusos cometidos pelo grupo de bolsonaristas que não aceita a derrota. E como todo final de semana no último mês, eles voltam a se reunir no acampamento, que se tornou uma espécie de ‘balada’ dos ‘patriotas’.

Contando com a total conivência das autoridades, voltam a fechar as ruas sem qualquer autorização, impedindo até mesmo que os pedestres circulem livremente pelas calçadas.

search