Dollar R$ 5,57 Euro R$ 6,07
Dollar R$ 5,57 Euro R$ 6,07

Polícia Terça-feira, 02 de Julho de 2024, 16:52 - A | A

Terça-feira, 02 de Julho de 2024, 16h:52 - A | A

OPERAÇÃO CHICANA

Advogada de Cuiabá é alvo de operação por fraude na venda de terreno

Contra a advogada alvo da investigação existem vários boletins de ocorrência por envolvimento em crimes de estelionato

Assessoria | Polícia Civil-MT

Duas mulheres, entre elas uma conhecida advogada envolvida na prática de golpes, foram alvos da Operação Chicana, deflagrada na manhã desta terça-feira (2) pela Polícia Civil, por meio da Delegacia Especializada de Estelionato e Outras Fraudes (DEEF) de Cuiabá.

Na operação foram cumpridas seis ordens judiciais, sendo três mandados de busca e apreensão e três de autorização para análise de dispositivos informáticos.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

Contra a advogada alvo da investigação existem vários boletins de ocorrência por envolvimento em crimes de estelionato. Recentemente, ela foi presa em flagrante pela DEEF.

A outra investigada é uma mulher que se associou à advogada para, no primeiro caso, obter vantagem ilícita vendendo imóvel alheio como se fosse próprio. Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos nas residências das investigadas e no escritório de advocacia da advogada.

As investigações iniciaram com o delegado Marcelo Torhacs, que representou pelos pedidos de busca e apreensão e pela prisão preventiva da advogada. O planejamento, a deflagração e a continuidade da investigação são coordenados pelo delegado Vinícius Nazário.

Segundo os elementos apurados, as investigadas obtiveram vantagem ilícita de R$ 50 mil, bem como a transferência documental de um lote de terreno como se fosse um apartamento à vítima.

A vítima, também advogada, procurou rapidamente a Polícia Civil e o Cartório de Registro de Imóveis ao tomar posse do apartamento e constatar que a comparsa da advogada nunca foi proprietária do imóvel no Condomínio que constava no documento de compra e venda, percebendo o golpe.

search