Dollar R$ 5,38 Euro R$ 5,76
Dollar R$ 5,38 Euro R$ 5,76

Opinião Sexta-feira, 03 de Dezembro de 2021, 11:19 - A | A

Sexta-feira, 03 de Dezembro de 2021, 11h:19 - A | A

Daiane da Silva e Vânia de Souza

As vivências e representações do faz de conta para crianças

Daiane da Silva e Vânia de Souza

A brincadeira de faz de conta promove para a criança um momento único de desenvolvimento, no qual ela exercita em sua imaginação, a capacidade de planejar e de criar situações lúdicas. Por meio da brincadeira a criança consegue comunicar-se com o mundo do adulto, no qual adquire controle interior, autoestima e confiança em si mesma, levando-a a agir de maneira mais ativa para que vivencie experiências de tomada de decisões, como por exemplo, comer sozinho, vestir-se, fazer amigos, entre outros.


O brincar de faz de conta permite à criança a construção do mundo real, pois brincando ela trabalha com as representações sociais, vivenciadas em seu cotidiano, podendo assim, compreendê-las melhor. Para Vygotsky (1984), o indivíduo não é apenas um produto do seu meio, mas um sujeito ativo que interfere neste meio. Para ele, é muito importante no desenvolvimento da criança, a interação da mesma com o meio social que ela vive.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)


O desenvolvimento depende do entrosamento da criança com a cultura produzida pelos indivíduos ao longo da história. É nesta interação com a cultura, que ela desenvolve funções psicológicas tipicamente humanas. Vygotsky, também ao discutir sobre o papel do brinquedo, refere-se precisamente à brincadeira de "faz-de-conta", como brincar de casinha, de escolinha ou com um cabo de vassoura como se fosse um cavalo.


Mesmo fazendo referência a outros tipos de brinquedo, a brincadeira de "faz de conta" é privilegiada em sua discussão sobre o papel do brinquedo no desenvolvimento. Nota-se que as crianças evoluem por intermédio de suas próprias brincadeiras e das invenções das brincadeiras feitas por outras crianças e adultos.


Com isso, ampliam-se gradualmente sua capacidade de visualizar a riqueza do mundo externamente real, e, no plano simbólico procuram entender o mundo dos adultos, pois ainda que com conteúdo diferentes, estas brincadeiras, possuem uma característica comum: a atividade do homem e suas relações sociais e de trabalho.


As crianças então desenvolvem a linguagem e a narrativa e nesse processo vão adquirindo uma melhor compreensão de si própria e do outro, pela contraposição com coisas e pessoas que fazem parte de seu meio, e, que são, portanto, culturalmente definidas também. Quando a criança reproduz o comportamento social do adulto em seus jogos, está combinando situações reais com elementos de sua ação fantasiosa e esta fantasia surge da necessidade da criança em reproduzir o cotidiano da vida do adulto da qual ela ainda não pode participar ativamente.


Percebe-se que a construção da real parte do social, ou seja, da interação com os outros, sendo que quando a criança imita o adulto e é orientada por ele, e paulatinamente é internalizada pela criança. Ela começa com uma situação imaginária, que é uma reprodução da situação real, sendo que a brincadeira é muito mais a lembrança de alguma coisa que de fato aconteceu, do que uma situação imaginária totalmente nova.


Vygotsky ainda coloca que o comportamento das crianças em situações do dia a dia é, em relação aos seus fundamentos, o contrário daquele apresentado nas situações de brincadeira. Com isso, a brincadeira cria zona de desenvolvimento proximal da criança que nela se comporta além do comportamento habitual para sua idade, o que vem criar uma estrutura básica para as mudanças da necessidade e da consciência, originando um novo tipo de atitude em relação ao real. Pela brincadeira, tem-se a ação na esfera imaginativa numa situação de faz-de-conta, como a criação das intenções voluntárias e as formações dos planos da vida real, constituindo-se assim, no mais alto nível do desenvolvimento pré-escolar.


*Daiane Cristina da Silva e Vânia Silveira de Souza são professoras pedagogas da Rede Municipal de Educação de Rondonópolis.

search