Dollar R$ 5,45 Euro R$ 5,86
Dollar R$ 5,45 Euro R$ 5,86

Judiciário Quinta-feira, 23 de Dezembro de 2021, 09:31 - A | A

Quinta-feira, 23 de Dezembro de 2021, 09h:31 - A | A

RUÍDO NA COMUNICAÇÃO

Júlio tenta reverter decisão que determinou retorno da Jovem Pan Cuiabá

Felipe Leonel

Repórter | Estadão Mato Grosso

A Rádio Industrial de Várzea Grande, de propriedade do ex-governador Júlio Campos, entrou com um agravo de instrumento contra a decisão da desembargadora Antônia Siqueira Gonçalves, que determinou a volta do funcionamento da Rádio Jovem Pan e Nativa FM em Cuiabá. O agravo foi protocolado na terça-feira (21). 

As duas rádios estão fora do ar desde o dia 16 de dezembro deste ano, por decisão da juíza Olinda Castrillon, da 11ª Vara Cível de Cuiabá. Porém, no dia seguinte a desembargadora Antônia Siqueira atendeu pedido da empresa P.H.D Publicidade, que havia arrendado as duas rádios, e determinou a retomada. 

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

Ocorre que, cinco dias após essa decisão, ainda não foi dado cumprimento, fazendo com que a PHD entrasse com um recurso na Justiça para fazer cumprir a decisão.  Ao mesmo tempo, o grupo empresarial de Júlio Campos apresentou um recurso à Justiça.

No recurso, a defesa da Rádio Industrial acusa a empresa de induzir a desembargadora ao erro. A PHD havia alegado que a juíza Olinda Castrillon não poderia proferir a decisão para retirar as rádios do ar, pois haviam dois recursos pendentes de julgamentos. Porém, a empresa do ex-governador afirma que os dois recursos já foram extintos por pedido da própria PHD. 

De acordo com o advogado Paulo Fabrinny Medeiros,  que defende a Rádio Industrial, a PHD atenta à “dignidade da Justiça, mediante ilegalidade praticada pelo patrono da ora agravada que, em ato de desespero, optou em fugir dos verdadeiros documentos processuais e deliberadamente descambou em lançar mão de fraude processual”. 

Para pedir a rescisão do contrato, a Rádio Industrial alega que o Grupo PHD não realizou a manutenção dos equipamentos e deixou a rádio funcionando em uma potência inferior ao que estabelecido na concessão, que prevê o funcionamento da frequência em 10 kW e estaria funcionando em apenas 900w. Operar com transmissores fora do padrão homologado pela Anatel pode levar à perda da concessão da frequência, o que acarretaria prejuízos ainda maiores à Rádio Industrial.

Além disso, a Rádio Industrial acusa também a PHD de piratear o sinal da Nativa FM, por meio da internet, e usar seus transmissores para fazer a retransmissão. 

search