Dollar R$ 5,38 Euro R$ 5,76
Dollar R$ 5,38 Euro R$ 5,76

Judiciário Segunda-feira, 15 de Novembro de 2021, 16:43 - A | A

Segunda-feira, 15 de Novembro de 2021, 16h:43 - A | A

DELAÇÃO DE MALOUF

Juiz não vê caixa dois em doação de R$ 3 milhões para a campanha de Taques

Caso passará a tramitar na Justiça comum, pois há suspeita de que doação teria objetivo de beneficiar a cervejaria

Da Redação

Redação | Estadão Mato Grosso

A Justiça Eleitoral decidiu transferir para Justiça comum o inquérito que apura supostas irregularidades na doação de R$ 3 milhões da Cervejaria Petrópolis para a campanha do ex-governador Pedro Taques (PSDB). O declínio de competência ocorreu porque não foi possível tipificar qualquer crime eleitoral no caso.

Taques era investigado por suposta prática de caixa dois na doação da cervejaria. O caso foi denunciado pelo empresário Alan Malouf, em delação premiada para se livrar do processo referente à Operação Rêmora. Segundo ele, a empresa teria feito a doação de R$ 3 milhões à campanha de Taques com o objetivo de manter os incentivos fiscais concedidos ao Grupo Petrópolis.

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso grupo no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

- FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações em tempo real (clique aqui)

Durante as investigações, constatou-se que a doação ocorreu de forma oficial, o que afasta a possibilidade de classificá-la como 'caixa 2'. Diante disso, o juiz repassou o caso para a 7ª Vara Criminal de Cuiabá e o Ministério Público Estadual (MPMT).

"Avançadas as diligências investigatórias, o distinto representante do Ministério Público promoveu o declínio de atribuições para o Ministério Público do estado de Mato Grosso, mais precisamente em favor do órgão de execução que oficia perante a 7ª Vara Criminal da comarca de Cuiabá, por entender como configurada a prática, em tese, de crime de competência da Justiça Comum estadual, inexistindo, ainda que residualmente, fatos a serem investigados que se amoldem aos delitos tipificados na legislação eleitoral", diz a decisão, que foi tornada pública na última quinta-feira (11), com a quebra do sigilo.

- FIQUE ATUALIZADO: Participe do nosso canal no Telegram e fique sempre informado (clique aqui)

Com o declínio de competência, o juiz também negou um pedido feito pela defesa de Taques para 'trancar' a ação, bem como um outro pedido feito pelo Grupo Petrópolis para ter acesso aos autos.

search